MILAGRES
BIBLIOGRAFIA
01- Antologia do perispírito - ref. 515 02 - Falando à Terra - pág. 190
03 - Jesus perante a Cristandade - pág. 65 04 - Manual e dic .Basico do Esp. - pág. 75
05 - Mãos de luz - pág. 37, 62 06 - O Cristo de Deus - pág. 35
07 - O Livro dos Espíritos - q. 59, 525,526 08 - O que é Fen. mediúnico - pág. 32
09 - Religião dos Espíritos - pág. 145 10 - Revista Espírita 1859, 1867 - pág. 281, 136
11 - Espiritismo de A a Z - pág. 389  

LEMBRETE: O NÚMERO DA PÁGINA PODE VARIAR DE ACORDO COM A EDIÇÃO DA OBRA CITADA.

MILAGRES – COMPILAÇÃO

04 - MANUAL E DICIONÁRIO BÁSICO DE ESPIRITISMO - ARIOVALDO CAVERSAN - PÁG. 75

Milagres e fatos sobrenaturais: As propriedades do períspirito (corpo espiritual), as ações dos espíritos sobre os fluídos e a matéria, as faculdades e recursos mediúnicos, bem como as faculdades e possibilidades dos espíritos, explicam fenômenos antes considerados milagrosos ou sobrenaturais. Assim, fenômenos tais como: curas, aparições, obsessões e possessões, manifestações físicas ou inteligentes de espíritos, transmissão de pensamentos, etc.. hoje, graças ao Espiritismo são entendidos como fatos naturais, plenamente explicáveis.

07 - O LIVRO DOS ESPÍRITOS - ALLAN KARDEC - QUESTÕES: 59, 525,526, 663, 802, CONCL. II

59. Os povos fizeram idéias bastante divergentes sobre a Criação, segundo o grau de conhecimentos. A razão na Ciência reconheceu a inverossimilhança de algumas teorias. A que os Espíritos nos oferecem confirma a opinião há muito admitida pelos homens mais esclarecidos.
A objeção que se pode fazer a essa teoria é a de estar em contradição com os textos dos livros sagrados. Mas um exame sério nos leva a reconhecer que essa contradição é mais aparente que real, resultanteda interpretação dada a passagens que, em geral, só possuíam sentido alegórico.

A questão do primeiro homem, na pessoa de Adão, como único da Humanidade, não é a única sobre a qual as crenças religiosas têm de modificar-se. O movimento da Terra parecia, em determinada época,. tão contrário aos textos sagrados, que não há formas de perseguição a que essa teoria não tenha dado pretexto. Não obstante, a Terra gira, malgrado os anátemas, e ninguém hoje em dia poderia contestar isto, sem ofender a sua própria razão.
A Bíblia diz igualmente que o inundo foi criado em seis dias e fixa a época da Criação em cerca de quatro mil anos antes da Era Cristã. Antes disso, a Terra não existia; ela foi tirada do nada. O texto é formal. E eis que a Ciência positiva, a Ciência inexorável, vem provar o contrário. A formação do globo está gravada em caracteres indeléveis no mundo fóssil, . e está provado que os seis dias da Criação representam outros tantos períodos, cada um deles, talvez, de muitas centenas de milhares de anos. E não se trata de um sistema, uma doutrina, uma opinião isolada, mas de um fato tão constante como o do movimento da Terra, e que a Teologia não pode deixar de admitir, prova evidente do erro em que se pode cair, quando se tomam ao pé da letra as expressões de uma linguagem freqüentemente figurada. Devemos concluir, então, que a Bíblia é um erro? Não; mas que os homens se enganaram na sua interpretação. (...)

Perg. 525 - Os Espíritos exercem influência sobre os acontecimentos da vida?
- Seguramente, pois que te aconselham.

Perg. 526 - Tendo os Espíritos ação sobre a matéria, podem provocar certos efeitos com o fim de produzir um acontecimento? Por exemplo, um homem deve perecer; sobe então em uma escada, esta se quebra e ele morre. Foram os Espíritos que fizeram quebrar a escada, para que se cumpra o destino desse homem?
- É bem verdade que os Espíritos têm influência sobre a matéria, mas para o cumprimento das leis da Natureza e não paa as derrogar, fazendo surgir em determinado ponto um acontecimento inesperado e contrário as estas leis. No exemplo que citas, a escada que se quebra porque está carunchada ou não era bastante forte para suportar o peso do homem; se estivesse no destino desse homem morrer dessa maneira, eles lhes inspirariam o pensamento de subir na escada que deveria quebrar-se com o seu peso, e sua morte se daria por um motivo natural, sem necessidade de um milagre para isso.

Perg. 663 - As preces que fazemos por nós podem modificara natureza das nossas provas e desviar-lhes o curso?
- Vossas provas estão nas mãos de Deus e há as que devem ser suportadas até o fim, mas Deus leva sempre em conta a resignação. A prece atrai a vós os bons Espíritos, que vos dão a força de as suportar com coragem. Então, eles vos parecem menos duras. Já o dissemos: a prece nunca é inútil, quando bem feita, porque dá força, o que já é um grande resultado. Ajuda-te a ti mesmo e o céu te ajudará; tu sabes disso. Aliás, Deus não pode mudar a ordem da Natureza ao sabor de cada um, porque aquilo que é um grande mal, do vosso ponto de vista, do vosso ponto de vista mesquinho, para a vossa vida efêmera, muitas vezes é um grande bem na ordem geral do Universo. Além disso, de quantos males o homem é o próprio auor, por sua imprevidência ou por suas faltas! Ele é punito pelo que pecou. Não obstante, os vossos justos pedidos são em geral mais escutados do que julgais. Pensais que Deus não vos ouviu, porque não fez um milagre em vosso favor, quando entretanto vos assiste por meios tão naturais que vos parecem o efeito do acaso ou da força das coisas. Frequentemente, ou o mais frequentemente, ele vos suscita o pensamento necessário para sairdes por vós mesmos do embaraço.

Perg. 802 - Desde que o Espiritismo deve marcar um progresso da Humanidade, por que os Espíritos não apressam esse progresso por meio de manifestações tão gerais e patentes que possam levar a convicção aos mais incrédulos?
- Desejaríeis milagres, mas Deus os semeia a mancheias nos vossos passos e tendes ainda os homens que os negam. O Cristo, ele próprio, convenceu os seus contemporâneos com os prodígios que realizou? Não vedes ainda hoje os homens negarem os atos mais patentes que se passam aos seus olhos? Não tendes os que não acreditariam mesmo quando vissem? Não, não é por meio de prodígios que Deus conduzirá os homens. Na sua bondade, Ele quer deixar-lhes o mérito se convencerem por meio da razão.

09 - Religião dos Espíritos - Emmanuel - pág. 145

ANTE O ALÉM - REUNIÃO PÚBLICA DE 17-8-59 - Questão n° 182 - LE

Há quem lamente a incapacidade dos amigos desencarnados para mais amplo concurso na solução dos enigmas que atormentam a vida moral na Terra.

Estudiosos inúmeros desejariam que os chamados mortos se utilizassem dos sensitivos comuns, quais instrumentos mecânicos, para espetaculares eventos, e reclamam deles a intervenção positiva no laboratório terrestre, para a cura de moléstias dificilmente reversíveis; a revelação de fórmulas milagrosas na matemática das finanças; a descoberta de forças ocultas da Natureza, e a materialização de estadistas ilustres, domiciliados no Além, para que, de manifesto, venham falar ao povo na praça pública.

Supunhamos, porém, que uma escola diariamente assaltada por teorias inoportunas, com desrespeito à autoridade do magistério, desconhecendo-se a necessidade particular da instrução em cada discípulo...

Imaginemos um tribunal, sistematicamente invadido por sugestões exóticas, que alarmem o ânimo da magistratura, ignorando-se o imperativo do exame especial de todos os processos alusivos à regeneração de cada delinquente em si mesmo...
Conjeturemos quanto à perturbação de um hospital, incessantemente acometido de indicações extemporâneas, que transcendam o quadro dos experimentos da Medicina estranhando-se o impositivo do tratamento individual para cada enfermo...

Decerto que à produtividade sobreviria a frustação, tanto quanto à luz do serviço se oporia a sombra do caos.
É mais do que justo nos empenhemos todos no amparo ao aprendiz, no auxílio ao encarcerado e no socorro ao doente, mas, além disso, ninguém espere que os companheiros desencarnados interfiram na atividade humana, favorecendo a inconsequência ou a desordem.

Quando os mensageiros da espiritualidade enobrecida recebem a permissão necessária para contribuir no progreso do Globo, corporificam-se no berço, à feição dos homens vulgares, comungando-lhes as vicissitudes e nas dores.
É assim que encontramos um Thomas Edison vendendo jornais para se manter, aos quinze anos de idade, atingindo a posição de um dos maiores gênios técnicos de todos os tempos e deixando nada menos de oitocentas invenções registradas, e um Louis Pasteur, filho de um nobre curtidor, que, sem ser médico, pode ser considerado como sendo o fundador da microbiologia, apesar do trabalho valioso de seus predecessores.

Lembremo-nos do Cristo, o Divino Mestre por excelência. Ele que podia, como ninguém, influenciar ambientes e criaturas, surge, entre os homens, como qualquer criança necessitada de arrimo; vive, em sua época, ao modo de um homem normal e, embora a luz e o amor lhe coroem a presença sublime, expira num lenho áspero, à maneira de qualquer condenado à morte, sem culpa.

Realmente, os Espíritos desencarnados não podem penetrar assuntos que a Humanidad ainda não pode compreender; entretanto, guarda a convicção de que te trazem eles a notícia mais importante de todas - a verdade de que a vida prossegue, além do sepulcro, e de que todos nós, desencarnados e encarnados, seja onde for, receberemos sempre de acordo com a nossas obras.

11 - ESPIRITISMO DE A a Z - F.E.B. - pág. 389

A - (...) O milagre é uma postergação das leis eternas fixadas por Deus, obras que são da sua vontade, e seria pouco digno da suprema Potência exorbitar da sua própria natureza e pelo amor, entre Deus e o Cristo. (...)
(...) Milagre realmente não houve, segundo a significação que esse vocábulo tem, isto é, no sentido de derrogação das leis da natureza. Deus, já o sabeis, nunca derroga as leis naturais que a sua vontade imutável estabeleceu desde toda a eternidade.
Unicamente nos limites e sob a ação de tais leis universais é que, entre vós e em consequência da vossa ignorância, tomam o nome de "milagres", as suas aparentes derrogações, que , entretanto, não passam de aplicações, desconhecidas para os homens, das mesmas leis universais de efeitos dessas aplicações, apropriados às leis do vosso planeta. J. B. Roustaing

B - O milagre é sempre o coroamento do mérito, mas nunca derrogação das Leis naturais, que funcionam, igualmente, para todos. Fco Cândido Xavier

C - Milagre - designação de fatos naturais cujo mecanismo familiar à Lei Divina ainda se encontra defeso ao entendimento fragmentário da criatura.O Espírito da Verdade.