11 - COMÉRCIO ILEGAL DE TÓXICOS

1 - O NARCOTRÁFICO

Os poderosos traficantes de tóxicos, geralmente não são viciados. Viciados são os passadores, meros instrumentos daqueles. Como crime organizado, o tráfico ilegal das drogas envolve imensas somas em dinheiro. Os traficantes ainda são menos poderosos do que os proprietários ocultos do "negócio", os quais, dificilmente são identificados. Os passadores oferecem gratuitamente um "fininho" (cigarro de maconha) à vítima em potencial - geralmente estudante. O primeiro, o segundo, o terceiro - todos grátis.

Suspensa bruscamente a gratuidade, a vítima passará a comprar. Como viciado, torna-se um marginal: fica à margem da vida e nada produz. Se for rico: apenas curte e contamina o ambiente que frequenta. Se for pobre:
1. passa a ser traficante, "fininhos" a título de comissão que consiga, geralmente junto a colegas, no interior das escolas;
2. furtará valores, no lar ou fora dele para arrecadar dinheiro e assim sustentar o vício;
3. terá os primeiros contatos com a lei; abandona os estudos e perde o emprego;
4. exigirá dos pais doações em dinheiro (mesadas), mentindo sempre quanto ao emprego;
5. agirá com promiscuidade sexual, mediante pagamento:
• rapazes: homossexualismo
• meninas-moças: prostituição;

6. cometerá até assassinato, se estiver em crise, e se fracassarem as tentativas acima. Como câncer de infinitas metástases, o vício infiltra-se em muitos organismos sociais. Os ambientes do narcotráfico têm astral baixo, e conseqüentemente, neles proliferam o crime, a violência, a chantagem, a coação e uma infinidade de misérias morais.

A - Interesses Financeiros

O comércio ilegal de drogas movimenta, anualmente, cerca de 500 bilhões de dólares - quase o que circula no mercado mundial de armas! Como vimos, anteriormente, há grupos buscando descriminar o uso das drogas. Até mesmo grupos conservadores dos EUA pregam a legalização do comércio da droga, porque o governo poderia taxá-la com grande lucro.
Espantoso !

A hidra das variedades de tóxicos e das modalidades de uso difere daquela de Lerna, derrotada por Hércules, por não ter apenas sete cabeças: tem tantas que é inútil tentar decepá-las. Para acabar com essa terrível moderna hidra-TÓXICOS - suas incontáveis cabeças devem ser cortadas no ponto de onde se irradiam. Esse ponto chama-se DINHEIRO!

Números da ONU, em 1992, mostravam que só nos EUA e Europa, cerca de US$ 250 bilhões foram "lavados" na distribuição de drogas, em negócios ilícitos. No mundo todo, a soma era de US$ 500 bilhões, negócio menor apenas do que o comércio mundial de armas. (Fonte: "ATLAS DA HISTÓRIA DO MUND0 / Folha de S.Paulo).

B - COCA É FONTE ECONÔMICA DE GRUPOS GUERRILHEIROS: (Fonte: Jornal "A Folha de São Paulo" de 10 de Junho. 1990):

"As populações dos Andes centrais, onde estão o Peru e a Bolívia, cultivam coca há mil anos. As recentes pressões internacionais para que o Peru extermine com as plantações de coca não levam em conta o hábito indígena de mascar as folhas e as 200 mil famílias peruanas que vivem de seu cultivo.

Os dois candidatos ao segundo turno das eleições presidenciais já deixaram claro que o combater à guerrilha é mais importante para o país que a erradicação das plantações de coca. O aumento do consumo de cocaína nos EUA transformou a venda das folhas de coca- matéria prima para a produção da droga no produto agrícola mais lucrativo do Peru.

Assim, os dois grupos guerrilheiros peruanos, o Sendero Luminoso e o Tupac Amaru, descobriram no comércio das folhas uma fonte inesgotável de fundos para as suas atividades". Como se sabe, o Peru vive um regime político de exceção - de força. Citado regime consolidou-se ainda mais após o insucesso, em 1997, de um grupo terrorista presumivelmente dos Tupac Amaru, na ação de sequestro, iniciada em Dezembro/96, de centenas de autoridades internacionais, reunidas em solenidade oficial na Embaixada do Japão, em Lima.

De qualquer forma, nada indica que a plantação e o comércio das folhas da coca vá se findar, nos países citados. Pelo menos, a curto prazo.

Grupo Acostumei