15 - AIDS - JORNADA TRÁGICA

AIDS mata, sempre !

Opinião dos cientistas, pesquisadores dos efeitos dos coquetéis de remédios ofertados aos aidéticos, cujos sucessos estão ainda longe do êxito total - a cura da AIDS). Os avanços que se verificaram (em 1997), não caracterizam que a luta contra a AIDS terminou...

Embora os primeiros registros clínicos da AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) datem de 1952, o pavor despertado começou a tomar conta das pessoas a partir do início da década de 80, com a morte de ilustres personalidades do Brasil e do estrangeiro. Vejamos a seguir algumas questões sobre a AIDS:

A - De onde vieram os agentes da AIDS?

As hipóteses são inúmeras e todas estão sob investigação. A mais divulgada pressupõe que o virus de AIDS, o HIV (Human immunodeficency Virus - designação internacional) chegou ao homem via macaco verde africano. Há quem julgue totalmente fantasiosa a hipótese de uma criação humana do vírus, como arma bacteriológica, por cientistas militares.

B - O CAUSADOR E O QUE CAUSA:

O HIV faz parte de um grupo de vírus chamado retrovírus. Ao contrário da maioria dos seres vivos, tem como material genético o RNA (ácido ribonucléico), e não o DNA (ácidodesoxirribonucléico). O DNA está presente em todas as células, suprindo-as de proteínas para sobreviverem e se reproduzirem. É cientificamente descrito como a fita química de todas as etapas das nossas vidas.

Já o RNA, por dissociação com o DNA, ora é "mensageiro", ora "transportador", às células. O HIV infecta células do sistema de defesa (sistema imune) e as transforma em "fábrica de vírus". Ele é capaz de produzir DNA a partir do seu material genético, o RNA. O DNA produzido é capaz então, de se misturar ao DNA da célula de defesa e comandar a fabricação de novos HIVs. São produzidos tantos vírus que a célula de defesa entra em pane e morre. Quanto mais células mortas, mais susceptívela doenças fica o paciente.

C - COMO PODE SER EXPLICADO O SURGIMENTO DA AIDS?

O minucioso trabalho de investigação da AIDS acabou por provar que este mal não é tão recente assim há milênios o homem convive com um ancestral deste vírus e que pelo menos há 4 décadas os HIV começaram a se manifestar de forma patogênica. A AIDS é seguramente decorrência de um complexo de fatores, em que o biológico e o social estão inextricavelmente ligados:
• relações sexuais promíscuas;
• generalização de certos comportamentos amorosos;
• miscigenação populacional;
• democratização do sangue de terceiros através dos bancos e de hemoderivados;
• propagação de doenças em todas as latitudes, graças ao grande intercâmbio atual de populações;
• a Medicina moderna suprimiu os vírus das doenças infecciosas e com isso eclodiu a expansão do vírus da AIDS, até então camuflado pela barreira daqueles outros vírus;
• uso coletívo de seringas pelos viciados em drogas.

D - COMO EVITAR A AIDS?

O atual estágio de conhecimento informa que os meios preferenciais de disseminação do HIV são:

• sangue;
• esperma;
• secreções vaginais;
• transmissão vertical: de mãe para filho - a contaminação do bebê pode se dar:
- intra-útero
- na hora do parto ou
- através do aleitamento

Sugerem os Órgãos oficiais de saúde pública que a melhor prevenção será, em caso de dúvidas:

TRANSFUSÕES SANGUÍNEAS E AMAMENTAÇÃO
- realização prévia de testes de laboratório dos agentes de disseminação para certificar-se da ausência do HIV nos mesmos.

RELAÇÕES SEXUAIS
- evitar a promiscuidade;
- só realizar o "sexo seguro" (proteção com preservativos, para impedir a troca de secreções);
- evitar parceiros desconhecidos.

E - GRUPOS DE RISCO (EVOLUÇÃO NO BRASIL):

Eis os alvos da síndrome no Brasil e os seus percentuais estatísticos, relativos a 11.070 brasileiros (declaradamente) atingidos.

GRUPOS DE RISCO
1985
1987
1989/1990
HOMOSSEXUAIS
51%
42%
32%
BISSEXUAIS
26%
19%
16%
HETEROSSEXUAIS
4%
7%
14%
DROGADOS
2%
10%
21%
HEMOFÍLICOS
6%
3%
2%
RECEPTORES DE SANGUE
3%
8%
2%
OUTROS
8%
11%
11%
T O T A L
100%
100%
100%

FONTE: Ministério da Saúde (1990)

OBSERVAÇÃO: Dados de 1997 demonstram que:

A - Atualmente está ocorrendo uma crescente incidência da AIDS entre:
- os drogados (22%)
- os heterossexuais (30%)
- os receptadores de sangue (17%) e

B - Surgem os aidéticos contaminados nos peripartos- transmissão perinatal - 3,3%

F - A AIDS NO BRASIL DE 1980 A 1997 (115.765 portadores do HIV) (revista Veja de 19/1/1997)

A - Evolução da AIDS e das mortes que provocou no Brasil (Ministério da Saúde e Instituto Howard Hugues, 1/3/1997)

ANO
INFECTADOS
MORTES
%
1980
1
1
100
1982
9
9
100
1984
144
116
80,6
1986
1.105
804
72,8
1988
4.203
3.055
72,7
1990
7.973
5.254
65,9
1992
13.258
6.868
51,8
1994
15.572
7.070
45,4
1995
15.402
5.375
34,9

NOTA: Entre 1996 e 1997 - números ainda não consolidados segundo os órgãos oficiais - os doentes de AIDS chegaram a 11.037. Desde 1980, o país havia contabilizado 103.262 casos, dos quais 50,5% - 52.099 - já morreram.

B - Percentagem da AIDS no Brasil, por faixa etária:

- Menores de 1 ano: 1,2%
- De 1 a 4 anos: 1,4%
- De 5 a 9 anos: 0,5%
- De 10 a 12 anos: 0,2%
- De 13 a 14 anos: 0,1%
- De 15 a 19 anos: 2,2%
- De 20 a 24 anos: 11,1%
- De 25 a 29 anos: 21,3%
- De 30 a 34 anos: 22,3%
- De 35 a 39 anos: 16,1%
- De 40 a 44 anos: 10,4%
- De 45 a 49 anos: 5,8%
- De 50 a 54 anos: 3,1%
- De 55 a 59 anos: 1,9%
- De 60 e mais: 2,4%

C - AIDS nas mulheres - Proporção entre homens e mulheres doentes no Brasil:

- Até 1982: não havia registro mundial de AIDS em mulheres.
- Em 1983: 40:1
- Em 1984: 28:1
- Em 1986: 16:1
- Em 1987: 9:1
- Em 1989: 7:1
- Em 1990: 6:1
- Em 1991: 5:1
- Em 1993: 4:1
- Em 96/97: 2,5:1

Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), 6,4 milhões de pessoas já morreram em consequência da AIDS, no mundo todo. Como podemos verificar, no topo da lista dos "grupos de risco", desde que a AIDS foi oficialmente registrada no mundo, continuam figurando os HOMOSSEXUAIS. Assim, causa-nos tristeza verificar que em vários países há movimentos sociais na busca da legalização de casais homossexuais.

A união homossexual, mesmo que sob a chancela de "por amor", peca na base, por contrária à criação divina da Família, esta, formada do casal heterossexual unido por laçõs do coração - o AMOR -, com ou sem a perpetuação natural da espécie, mas se houver, o será natural. Vejamos do que se cuida quanto a essa triste busca de conquista social:

OBS.: LEGALIZAÇÃO DE CASAIS HOMOSSEXUAIS

A Holanda deve se tornar o primeiro país do mundo a permitir que casais homossexuais adotem crianças, desde que nos fins de 1997, uma comissão parlamentar divulgou relatório recomendando que tivessem"plenos direitos" matrimoniais, incluindo o direito de adoção de filhos.

No Brasil está sendo estudada no Congresso a União Civil homossexual, não se tratando de casamento, pois isso é reservado, segundo a Constituição, a pessoas de sexos diferentes. No caso brasileiro, cogita-se de legalizar, em contrato alguns direitos aos homossexuais tais como: herança (poder herdar bens da outra pessoa), declaração de Imposto de Renda em conjunto, planos de seguros de saúde vinculados (um ser dependente do outro), direito à nacionalidade (quando um dos cônjuges não for brasileiro), benefícios previdenciários (receber a pensão do cônjuge,etc..).

Ainda aqui, tratando de legalizar procedimentos equivocados, enaltecemos a grande ajuda que o Espiritismo pode ofertar à polêmica em questão, tão ardente e contrária às Leis Morais — o HOMOSSEXUALISMO. Lembramos, em síntese, que a Doutrina Espírita vê, nos homossexuais, espíritos em difíceis embates. Podemos conjeturar que por um dos postulados da reencarnação, será de todo provável que estejam os homossexuais expiando, nesta existência, abusos cometidos em vidas passadas. Como consequência desses erros, e visando impedir a continuidade de tal procedimento. Protetores Siderais invertem-lhes a polarização sexual, para que vivenciem as mesmas experiências que seus atos impuseram ao próximo, no caso, do sexo oposto.

Essa compulsória inversão da polaridade sexual fará com que o homem, que pelo sexo tenha prejudicado mulheres, reencarne agora como mulher, sendo assim impedido de repetir os mesmos erros do passado. O mesmo, com relação às mulheres, que ao reencarnarem compulsoriamente como homens, terão idênticas dificuldades sexuais.

G - A CURA DA AIDS

A cura da AIDS ainda não foi alcançada, apesar do enorme esforço da Medicina nessa conquista, em âmbito mundial. Governos, profisísionais de saúde e até leigos, atualmente, estão empenhados numa corrente contra a doença. Nessa árdua batalha, já foram alcançados expressivos resultados no aumento da sobrevida dos pacientes aidéticos. No Estado de São Paulo, por exemplo, o governo estadual criou, no âmbito de sua Secretária de Saúde, o Centro de Referência e Treinamento da AIDS, com hospitais e ambulatórios espalhados por todo o Estado, interligados, para atendimento da clientela de baixa renda.

Ainda em São Paulo, em 1985, foi criado o GAPA -Grupo de Apoio e Prevenção à AIDS, formado por profissionais de várias áreas e por leigos, com a destinação de realizar campanhas de conscientização do "mal do século". O GAPA visa alcançar, principalmente, um público desinformado quanto à AIDS, e o que é pior, vítima indefesa de tabus e preconceitos.
Atualmente, o GAPA se junta a dezenas de instituições no país, integrando uma rede de solidariedade que reúne, no mesmo propósito, cientistas e leigos, todos voluntários.

1 - DOAÇÃO DE SERINGA A DROGADO
a) Com base em programas de troca de seringas entre Governo e dependentes de drogas, o Brasil instalou em 1994 o "Projeto Brasil", com as mesmas características do que faziam EUA, Canadá, Europa, Austrália e Nepal, onde a redução de contaminados pelo HIV caiu para um terço (1/3);

b) No Brasil, coordenado pelo Ministério da Saúde e co-financiado pelas Nações Unidas, o "Projeto Brasil" foi inicialmente implantado em Santos/SP, Rio de Janeiro/RJ, Campo Grande/MT, Itajaí/SC e Salvador/BA, atendendo 1.400 dependentes. A idéia: ensinar os jovens a evitar o uso de uma mesma seringa e trocá-la por uma nova ou saber como esterilizá-la;

c) Em Nov/97, uma lei aprovada no Estado de S.Paulo permitiu a agentes de saúde daquele Estado realizar troca de seringas, para reduzir o risco de infecção pelo HIV entre usuários de drogas injetáveis. Anteriormente, tal ação redundaria em prisão daqueles agentes, podendo pegar de 3 a 12 anos de reclusão (equivalente ao crime de tráfico);

d) Em outros Estados brasileiros, embora tais agentes realizem a troca de seringas dos viciados, correm o risco de serem presos. Em Porto Alegre/RS, com o aval da Prefeitura Municipal e em Salvador/Ba, agentes realizam tal troca, sob projetos financiados pelo Ministério da Saúde, com ajuda do Banco Mundial.

2 - PREVENÇÃO NAS ESCOLAS

De 1986 1 1993, as drogas fizeram a AIDS entre os jovens de 13 a19 anos evoluir em 1.773% (cerca de 18 vezes). Em consequência, em junho/96, pelo menos 100 mil professores da rede estadual e particular começaram a ser treinados, pelo Ministério da Saúde, para ensinar adolescentes a se prevenir contra AIDS e drogas.

Inicialmente instruindo aos professores, o projeto "Educação em Saúde Escolar", objetivou preparar professores e escolas a lidarem adequadamente com a questão sexual. O Ministério da Educação também proporcionou treinamento aos professores pela TV-ESCOLA daquele Ministério, para serem incluídos no currículo escolar temas como sexualidade, doenças sexualmente transmissíveis, AIDS e Drogas.

H - VISÃO ESPÍRITA DA AIDS

Escritores, jornalistas e comentaristas, todos espíritas, além de vários médiuns, falando sobre a AIDS, são unânimes em afirmar que:
• Deus não castiga nem premia: Deus é Amor e Justiça, invariáveis, eternas;
• o homem, com seus atos, promove a paz ou a guerra, o Bem ou o Mal, a saúde ou a doença — tudo para ele próprio;
• as doenças incuráveis, na verdade, são mecanismos de alerta, bondosamente estabelecidos por Deus e nessa categoria podem ser incluídos todos os demais problemas físicos;
• tais mecanismos sempre estão presentes e ativos quando determinados limites naturais são ultrapassados em desobediência à consciência íntima do indivíduo — aí, surge a dor.

1 - VISÃO ESPÍRITA DA DOR

Antes de prosseguir, falemos algo sobre a dor:
- há grande controvérsia nos meios espíritas quanto à criação da dor, isto é, muitos afirmam que ela é criação divina; outros, defendem energicamente que jamais Deus poderia criá-la, e que ela é criação humana;
- sem nos engolfarmos na contenda, vejamos como opinaram Espíritos amigos e estudiosos a respeito da dor:
a) Léon Denís ("O Problema do Ser, do Destino e da Dor"),17aEd./FEB, p. 376:
"Na penosa tarefa da reforma interior, do combate incessante travado com as paixões, com a matéria, quantas vezes o artista não desanima? Quantas vezes não abandona o cinzel? É então que Deus lhe envia um auxílio — a dor!"; (referia-se Léon Denis ao aformoseamento da nossa alma, como sendo tarefa individual, comparando-nos com o trabalhador hesitante e inábil);
b) Meimei:(MEIMEI - Vida e Mensagem), 1ª Ed./Casa Editora O Clarim, p.114:

"Quando o sofrimento visitar a sua alma guarde silêncio e assinale a bênção divina de que a dor se faz a emissária bendita".
c) André Luiz (Nos domínios da mediunidade), 8ª EdFEB, p.254:
"A dor é o grande ministro da Justiça Divina"
d) Hilário Silva (A vida escreve), Ed.Feb, p.205:
"A dor é uma bênção que Deus nos envia"

e) Um espírito amigo, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap IX, item 7:
"A dor é uma bênção que Deus envia a seus eleitos";
f) Emmanuel (Encontro marcado), Ed.FEB, Cap. 18, p.66:
"A dor é o instrumento invisível de que Deus se utiliza para converter-nos, a pouco e pouco, em falenas de luz".

Poderíamos acrescentar inúmeras outras assertivas similares. Respeitando as opiniões contrárias, a nossa é que realmente o homem não poderia ter criado a dor, pois não foram os homens que criaram os aniamis e eles, os animais também sentem (à dor). "dor-evolução", no dizer do Espírito André Luiz, em "Ação e Reação", p. 261;
"dor física no animal é passaporte para mais amplos recursos nos domínios da evolução", diz-nos o Espírito Emmanuel, pela psicografia de F.C.Xavier, em pequeno trecho transcrito no REFORMADOR (Órgão oficial da FEB), de Junho/1987.

Ensina-nos a Medicina que nervos e segmentos corporais inervados são os responsáveis pelo trânsito dos estímulos causadores da dor. Ora: também não foi a engenharia humana que concebeu essa maravilha que é o corpo físico e particularmente, o sistema nervoso central. Sem no socorrermos de sofismas, refletimos que a sede, a fome, o frio, o calor, etc.. são particularidades sensoríais dos homens e dos animais, similares à dor; no entanto, o corpo que as registra foi inteiramente engendrado por Deus.

Não sendo nosso objetivo incensar a polêmica, mas sim extrair dos ensinamentos espirituais conhecimentos para nosso dia-a-dia, opinamos, com muita sinceridade, que este é um dos assuntos cujo conhecimento pleno talvez não seja mesmo dado ao homem possuir, tal como a resposta à questão n° 10 de "O Livro dos Espíritos" (falta ao homem sentido para compreender a natureza íntima de Deus).

Prosseguindo nossas reflexões sobre a AIDS, podemos observar que tal síndrome, de um modo geral, é consequência de graves erros cometidos pelo aidético, tais como: orgias, promiscuidade, toxicomania etc.. Como espíritas, dizemos de um modo geral, porque ninguém conhece os insondáveis caminhos da Caridade do Pai, não sendo improvável que algum Espírito, voluntariamente, venha a contrair a doença, em caráter altruísta, isto é, não tendo tal resgate, mas a ele se submetendo para melhor e mais perto, de alguma forma, poder auxiliar àqueles que o tenham.

• tais erros podem ter sidos praticados em vidas anteriores;
•se a causa da AIDS não está nesta vida (crianças, hemofílicos e indivíduos de comportamento sexual normal), essa causa tem necessariamente de estar em outras vidas e, neste caso, obviamente, no passado;
• essa é uma prova inquestionável da reencarnação, pois Deus, todo Justiça, não permitiria que inocentes fossem atingidos por males que não houvem praticado.

No aspecto conceptual, o Espiritismo engloba as idéias acima. Emmanuel, Espírito amigo e que pela psicografia de Chico Xavier vem há várias décadas trazendo luzes para as angústias e dúvidas humanas, leciona magistralmente, à questão 96 do "O Consolador", Ed.FEB:
"As chagas da alma se manifestam através do envoltório humano e o corpo doente reflete o panorama interior do espírito enfermo." A cura dessa doença, para os que tenham se desviado do reto proceder, só ocorrerá com o retorno reabilitador do doente aos caminhos do Bem, via auto-reforma moral, além de expiações e provas. Aqueles que buscarem ajuda no Mestre Jesus diante da difícil colheita subsequente à equivocada plantação que tenham feito, encontrarão sempre, nas suas horas tormentosas, o apoio do Amigo Infalível.

2 - AGENTES ESPIRITUAIS NA AIDS

Talvez não seja de todo improvável que no campo físico dos HIV, estejam acoplados, energizando-os, agentes espirituais, similares aos:
a. gérmens psíquicos, a que se referiu o Espírito André Luiz, em "Missionários da Luz" (Cap. 4 - Vampirismo)]
b. vírus psíquicos: descritos na instrutiva e já citada obra "Memórias de Um Suicida", 5aEd., FEB/Brasília-DF; vemos à p. 249 que vírus psíquicos contagiam encarnados e o único antídoto terá que ser análogo, isto é, harmonização em energias opostas, também psíquicas...
c. germes de perversão: voltando ao Espírito André Luiz, lecionando humildade informa-nos, em "Nosso Lar", à p. 39 da 38aEd./FEB, que só pelo procedimento do dever justo se desfaria dos germes de perversão da saúde divina, agregados ao seu perispírito por descuido moral;
d. vibriões psíquicos e parasitas extravagantes: mentes viciosas encharcam-se deles, registra o Espírito do Dr. Manoel P.de Miranda, em "Nas Fronteiras da Loucura", Ed. 5ª Ed., LEAL, p.18 e19.

Em face dessas importantes informações, talvez possamos conjeturar que o HIV é a contraparte física de agentes negativos do plano invisível, análogos, resultante de desregramentos morais. Isso parece indicar porque a Medicina ainda não encontrou a cura dessa terrível doença.

Quando o resgate chega ao seu termo (o que pode ocorrer por esgotamento na dor, ou por antecipação, através de excepcionais atos de fé, abnegação e amor ao próximo), novos agentes, análogos ainda, mas positivos, intervêm e a cura se opera com facilidade e rapidez, por quaisquer processos.

Grupo Acostumei