6 - EXPANSÃO MUNDIAL DAS DROGAS

O mundo está atônito diante do problema das drogas! Inúmeras perguntas são feitas. As respostas, embora complexas, são facilmente formuláveis. Eis algumas perguntas e respostas:

1 - Por que tomar drogas?
- Busca de novas sensações.
- Desconhecimento da finalidade da vida.
- Estimulante físico e mental.

2 - Por que a maioria dos viciados é jovem?
- Curiosidade.
- Rebeldia contra o sistema.
- Auto-afirmação.

3 - Que forças misteriosas teriam induzido povos tão inteligentes como os egípcios, persas, hindus, astecas, maias, incas- a consagrar e venerar as substâncias tóxicas que usavam?
A imprecisão religiosa de então, onde havia deuses para todos os motivos e gostos, teria proporcionado facilidade para a instalação do culto às substâncias que causavam alucinações e vertigens sensoriais, mergulhando os indivíduos em aspectos irreais da sua existência, inexplicáveis à época. Hoje está sobejamente comprovado que somente um embotamento da mente poderia ter ofuscado a percepção espiritual de tão desenvolvidas civilizações.

Pois, na verdade, o tempo incumbiu-se de fazer ruir tais consagrações, com isso provocando ruína física e moral daquelas civilizações.

4 - Por que alguns sociólogos afirmam que a década de 60 revolucionou todas as coisas em nosso mundo?
Realmente, a partir dos anos 60 acentuaram-se as tendências anti-sociais dos indivíduos jovens. Esse movimento foi de caráter mundial. Corroborou e mesmo incentivou tal reação ao "status quo" o fato de que o mundo passou a se constituir numa "grande aldeia", já que os meios de comunicação (imagem e som principalmente) aperfeiçoaram-se enormemente, com o advento da eletrônica, expandindo-se rapidamente.

Desde então, qualquer acontecimento no ponto mais distante do planeta passou a ter divulgação quase que instantânea. Muitos eventos, imprevistos, passaram a ser mostrados antes do seu término, tais como os grandes incêndios, naufrágios, terremotos, etc.

5 - Quais as causas da insatisfação da maioria mundial dos jovens dos anos 60?
A geração pós 2ª Guerra Mundial (1939 - 1945) cresceu entre conflitos, ausências, desejos irrealizados, período esse no qual emergiu, "ex-abruptu", o grito feminino mundial de igualdade de direitos, entre o patriarcado e o matriarcado. Esse movimento feminino, justo na origem, emergiu vitorioso em várias atividades humanas, por si só, desestabilizando parte dos costumes sociais. Os grandes progressos científicos da segunda metade do século XX - direitos masculinos e femininos igualados - levaram essa geração a proporcionar aos seus filhos (os jovens dos anos 60), demasiadas concessões.
Justificavam dizendo: "daremos aos nossos filhos tudo aquilo que gostaríamos de ter tido e não tivemos..." Não perceberam que com isso deixavam os jovens a milímetro do "inferno".

6 - POR QUE OS JOVENS DOS ANOS 60 RECEBERAM TUDO" DOS PAIS?
Em primeiro lugar os pais não deram "tudo" aos seus fihos. Deram, sim, liberdade. Ora: Se num sistema de grande opressão impera o sentimento de revolta (geração pós 2ª Guerra Mundial), num sistema de demasiada liberdade, isso descamba para a permissividade, ai instalando-se a licenciosidade (os filhos daquela geração ). Quanto às concessões paternas, foram relativas: os pais ricos despejaram supérfluos aos filhos, sempre em excesso; os pais pobres, desdobraram-se em acompanhar o mesmo ritmo, de forma a evitar que seus filhos "adquirissem complexos".

Campanhas maciças desencadearam um inebriante consumismo, tornando o mundo todo extremamente competitivo. Pais, criados pobres, sustentando suas famílias com enormes dificuldades, viram-se incoercivelmente obrigados a proporcionar aos filhos acesso aos modismo; recém-criados:
• roupas extravagantes, onde se destacassem aí "griffes" famosas; as etiquetas saltaram para o lado externo do vestuário;
* instrumentos musicais eletrônicos de grande potência;
* ingressos em "concertos musicais", às vezes distantes;
• alimentação por pré-fabricados: hamburgers refrigerantes, latarias, salgadinhos e biscoitos empacotado a vácuo etc.;
• bebidas "on the rocks", preferencialment importadas;
• frequência a lanchonetes;
• cigarros "lights";
• tênis em vez de sapatos;
• veículos "incrementados" - motos e carros;
• drive-in e não mais jardim...
Obs: Ao findar nosso século, vemos jovens e adultos (muitos desse os então jovens dos anos 60) dedicando-se a esporte exóticos — "adrenalina pura", gabam-se esses irresponsáveis praticantes, verdadeiros suicidas indiretos — (com equipamentos caríssimos);

7 - POR QUE OS JOVENS DOS ANOS 60 SE TORNARAM CONTESTADORES?
Eis como e por quê irrompeu a contestação:
* Jovens pobres, carentes de conforto material e massacrados pelas propagandas comerciais de um mundo cheio prazeres e coisas boas, passaram a sentir que esse mundo lhes era cruel, já que incentivava mas não ofertava;
* Jovens ricos, cujas famílias tudo lhes dava, menos diálogo atenção, sentiram-se marginalizados da sociedade dos adultos, formando uma nova sociedade separatívísta, só de jovens — como eles próprios;
* Jovens - ricos e pobres - até então acomodados, conformados com seu padrão de vidas vislumbraram um novo horizonte, no qual sua personalidade tinha muito mais chances de se expandir;
* O culto ao "amor livre", alardeado constantemente como sendo uma das "frentes de combate" contra os valores morais até então impostos, foi prontamente aceito e praticado, sob égide terrível de um enorme engano: "sexo livre";

Todos esses fatores somados funcionaram como uma fogueira no rastilho de pólvora em redor de todo o mundo. Formou-se uma grande corrente de descontentes, com fortes elos à reação, fazendo implodir os frágeis valores e reservas morais estocados, praticamente em todos os países.

8 - QUAIS OS FENÔMENOS MAIS MARCANTES DESSA CONTESTAÇÃO?
Basicamente, os fenômenos transformistas dos anos 60 foram:
* músicas modernas com sons alucinantes;
* míni-saia (praticamente desnudando a mulher);
* pílula anti-concepcional (com suas implicações morais);
* surgimento dos "hipies", como seu "paz e amor, bicho" e sua nova cultura: substituição de valores éticos e morais.
* pregação do "amor livre" que foi confundido com "sexo livre", gerando uma torrente de depravações, a partir das aulas pornográficas proporcionadas por revistas, livros e filme- absolutamente sem censura.
* pessoas com mais de 30 anos passaram a ser consideradas "ultrapassadas", sem assento nesse "mundo novo";
* criação de uma nova linguagem, com deturpação das palavras e com o surgimento de neologismos chulos, até os dias atuais, tais como:

Pintar Aparecer
Transar Manter relação sexual
Barato Pessoa agradável, simpática
Careta Quem não pega droga
Coroa Adulto, moralista
Papo Conversa
Bagulho Maconha pronta pra fumar
Grilo Preocupação
Patota Turma
Ficar Relação sexual temporária

* nova forma de cumprimento: palmadas recíprocas nas mãos;
* recrudescimento do uso das drogas, a partir dos jovens dos EUA envolvidos com a inútil guerra do Vietnã (infelizmente, a poderosa mídia norte-americana exportou essa crise). É bom lembrar que os soldados americanos lutaram na guerra do Vietnã sobre uma enorme plantação de papaoula.

9 - Quais as consequências imediatas desse movimento transformista?
A desagregação da família. O tripé: música, sexo e droga - passou a sustentar a conduta dos pretensos arautos de uma nova era, edificada sob a bandeira de uma outra concepção existencial. Manifestações coletivas dessa juventude(os "hippies"), eclodiram em várias partes do mundo, cuidando a imprensa de dar-lhes ampla cobertura, isto é, fazendo verdadeira apologia daqueles infelizes espetáculos.

10 - Por que "infelizes"?
Infelizes, sim, pois a contestação será sempre legítima quando transitar pela temperança e justiça, jamais pela destruição da consciência humana, como aconteceu. Vejamos alguns exemplos de onde e como se realizaram tais reuniões, pomposamente denominadas de "festivais":

* (verão( Ilha de Wight (Sul da Inglaterra). Uma multidão incalculável de 'hippies', vindos de toda a Europa, Austrália, Canadá e EUA ali se instalou. Detalhes: -Homens: calças de brim, japonas de guerra, turbantes, sandálias ou botas militares, ou descalços; barbas crescidas e hirsutas cabeleiras. -Mulheres: usando vestidos de 30 anos atrás; xales, ponchos, coleção de enfeites (medalhões e penduricalhos exóticos); além de, também, hirsutas cabeleiras.

Vieram com enormes sacrifícios, de carona, a pé, de terceira classe. Falidos, chegaram. Ficaram ali muitos dias. Ninguém tomou banho. Os 150 policiais destacados para a ordem eram chamados de "pigs" (porcos) molestados pelas autoridades. Praticaram o sexo livre. Fumaram maconha. Tomaram LSD. Numa das noites os alto-falantes anunciaram uma mensagem especial ex-Beatle (1940-1980), presente, adepto das drogas, dentre outras coisas, disse:" vós sois a geração bendita", Lenon,depois, pagou anúncio de página inteira, no "TIMES" de Londres, propondo a legalização das drogas. No último dia do "Festival de Wight", metade dos participantes, nus, invadiram as águas sujas da Mancha. Deu no que deu...

• Londres (Hide Park) -120.000 pessoas EUA-1969
• ( Nova York) 120.000 pessoas
• (Fazenda em Bethel) 400.000 pessoas
• (Woodstok) 400.000 pessoas.
OBS: É inegável que lindas canções, quais lirios, emergiram daqueles pântanos morais. Isso parece provar que seus autores, espíritos sensíveis à Música, quando toxicômanos, malbarataram esse dom, pois se as drogas fossem motivo de inspiração, o mundo teria milhões de compositores...

11. ALÉM DA REVOLUÇÃO SOCIAL DOS JOVENS DOS "ANOS 60" EXISTIRIAM OUTRAS CAUSAS PARA EXPLICAR O CRESCIMENTO CONSTANTE DO VÍCIO?
A contestação dos "Anos 60" não é a única culpada pelo aumento constante de jovens viciados. Outros caminhos induzem ao vício:
* Omissão Familiar
- Os pais e os demais adultos em geral são exemplo para os próprios filhos, no consumo do álcool e do fumo: Conflitos entre os pais (com milhares de separações conjugais), provocam resultantes negativas na formação moral dos filhos, os quais elegem colegas da rua como uma "nova família";
- Na luta pela sobrevivência, os pais se esquecem de dedicar algum tempo para os filhos, separando os dias úteis dos fins-de-semana. Os filhos, aí, conhecem dois pais: aquele que não quer nem conversa de 2ª a 6ª-feira e o outro que é todo seu nos sábados e domingos. Inevitavelmente, instala-se o conflito na educação da criança ou do jovem.

* Curiosidade
- É sabido que a maioria das pessoas se vicia por curiosidade
- A Educação (primeiro no LAR e depois na ESCOLA) deve ser integral, de forma a não permitir que a criança ou o jovem aprendam as coisas da vida de forma deturpada.

* Auto-afirmação
A FAMÍLIA tem que proporcionar à criança e ao jovem um permanente senso de integração, de participação. O jovem que se sinta rejeitado no âmbito familiar responderá positivamente ao convite das drogas, para não ser taxado de "quadrado" pelos amigos. Há nele o império da insegurança.
Assim procede para se enturmar, para não ficar isolado.

* Morbidez:
- Naturalmente há casos de morbidez de caráter.
- Problemas de ordem neurótica facilmente arremetem os psicopatas aos tóxicos, por exemplo.
- Igualmente aos covardes e extremamente tímidos, destituídos de uma filosofia digna de vida.
- Nesses casos, a ida ao vício ocorre de maneira consciente.

* Ausência de Evangelho
- A falta de um sentido superior para a vida, o desconhecimento do equilíbrio regido pelo binômio corpo-espírito como catalisador da saúde (física e psíquica), desperta na criatura humana a busca de outras motivações.
- A ausência de uma visão prospectiva e do respeito devido ao simples dom divino do existir, escancara ao homem a solução de enviés, que Jesus chamou de "porta larga da perdição..." (Mateus, 7-14)

12. O QUE FAZ O GOVERNO, ATRAVÉS DOS SEUS ÓRGÃOS OFICIAIS, PARA ERRADICAR, OU, AO MENOS, MINIMIZAR O USO E A EXPANSÃO DAS DROGAS?
Em geral, os governos, assoberbados por gigantescas responsabilidades política, financeiras e sociais, dedicam parte de suas ações da área de Saúde ao tratamento dos viciados (alcoólatras e toxicômanos). A repressão às drogas de forma violenta, através das armas, é uma constante mundial (países ricos e pobres) e nem por isso o vício é debelado ou diminui - ao contrário - expande-se. Vejamos alguns exemplos da "guerra aos tóxicos".

1- Folha de São Paulo, de 19 de abril de1990: "EUA fracassam na guerra contra as drogas". A Corporação Rand, da Califórnia, preparou um estudo demonstrando que, se todas as Forças Armadas do EUA fossem usadas no combate à importação ilegal das drogas, a oferta diminuiria no máximo em 5% nas ruas das grandes cidades. Em consequência, conservadores continuam pregando a legalização da droga, "porque o governo poderia taxá-la com grande lucro.,"

2 - O Estado de São Paulo, de 10 de abril 1990: Combate às drogas foi vitoriosa a tese dos EUA, quanto ao combate às drogas: combate armado!.

3 - Folha de São Paulo, de 11 de maio de 1990: "Em 89, o Irã ordenou a execução sumária de mais de 1.500 pessoas". Dessas execuções, mais de mil foram levadas a cabo em virtude de acusações de envolvimento dos réus com o tráfico de drogas. Os tribunais revolucionários não concedem o direito de advogado nem testemunhas para defender os acusados, os quais são presos e executados poucos dias depois.

4- Revista VEJA, de 9 de maio de 1990: No Brasil, o Ministro da Saúde, em entrevista concedida à citada revista, quando perguntado sobre o Ministério iria enfrentar o problema da AIDS, respondeu: "O número de leitos é muito pequeno para o tratamento dos aidéticos. Para combater a AIDS, temos de lidar com alguns tabus, como a sexualidade e o consumo de drogas. E vamos ser muito agressivos nisso, sem medo de assustar algumas entidades conservadoras que não gostariam de ver esse assunto exposto".

Dever de justiça é reconhecer que atualmente o Governo Brasileiro, através do Ministério da Saúde, tem em ação um bem elaborado programa de fornecimento de medicamentos antivirais a 100% dos aidéticos, de cujo universo, 95% são pobres, sem recursos para os adquirir. É caríssimo esse remédio, denominado popularmente de "coquetel da AIDS".

Trata-se do AZT mais 3TC, constituído dos inibidores da enzima que atua na fase inicial do ciclo do vírus da AIDS associado a um dos três inibidores conhecidos que atuam na fase final (NORVIR, CRIXIVAN ou INVIRASE).

Grupo Acostumei